segunda-feira, abril 04, 2005

o nó

Enrolar o cabelo num ritual refinado de lânguidos movimentos circulares que convergem na elaboração de um pequeno nó. O prazer culmina no instante preciso da concisa dissolução do nó, despoletar de êxtase onde preponderante algo de mais excitante, explode a nua tensão num despejo fluido de um acontece e o Universo resplandece em toda a sua densa congruência unitária. Ambivalência binária de dualismo assumido, reflexão redundante de tanto tempo perdido, o nó compõe o todo como componente integrante da globalidade pensada e sem ele nada faria sentido.

2 Comments:

Blogger Raquel V. said...

Nunca mais farei um nó sem pensar bem no assunto...

28/4/05 5:14 da tarde  
Blogger serpa said...

o nó tem muito que se lhe diga...:)

28/4/05 9:28 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home