quarta-feira, novembro 23, 2005

ciclo

O fim. Esse. Não virá nunca até o tempo jamais se gastar todo esgotado em toda a sua dimensão infinita e não houver mesmo mais nada a fazer com as migalhas perdidas sopradas que restarem por aqui. A dor. Essa não cessará jamais enquanto o tempo todo se perder em o que não é complementação de estrutura psíquica interna formada ao sabor do andar sem pensar e do ir sem ver o tempo chegar. Mas quando ele chega estende a bandeja das migalhas onde já não sobra senão grão de poeira passada de tempo esquecido em fútil chapada de investimentos não complementadores, daí as dores. O princípio. Esse já foi à tanto e já tanto acumula e sobeja na sábia forma da estrutura biológica que obedecer-lhe ao caminho traçado é a questão premente, mas por vezes o dedo torcido apontado mente, o sentimento indica várias vias possíveis caminháveis mas viáveis só uma a correctamente seguida será coroada de glória e é nessa que começa a história, o ciclo, o retorno ao que tem de voltar a ser, pois a glória esbate-se esfuma-se dilúi-se com a suave mas empedernidamente rija constante brisa da lenta passagem do tempo.

7 Comments:

Blogger O Meu Outro Eu Está a Dançar said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

23/11/05 12:43 da tarde  
Blogger O Meu Outro Eu Está a Dançar said...

Nestas coisas do infinito chovem interpretações que, consoladoras ou não, nos vão encaminhando num rumo que tentamos sempre ser honroso. Ou para nós ou para os outros. Uns passam pela vida tentando testemunhar a sua própria existência, outros vêem ao longe concentrados em se relacionar com ela. Entretanto dentro da nossa existência ínfima, mas não desnecessária à construção de um infinito qualquer, aconselho-te a ler um livro que tenho aqui em casa que aposto que vais gostar. Beijinhos

23/11/05 2:01 da tarde  
Blogger manuel said...

texto "glorioso". parabéns. abraços

23/11/05 2:03 da tarde  
Anonymous gato-escaldado said...

um texto "circular" de quem gostei muito. não é fácil percorrer esses caminhos da escrita. abraços

23/11/05 2:06 da tarde  
Blogger wind said...

Muito bom o texto. O tempo é mesmo um ciclo.

23/11/05 6:34 da tarde  
Anonymous Maria do Céu Costa said...

O tempo e o seu ciclo, ciclos do tempo. Bom texto. Beijinhos.

23/11/05 10:42 da tarde  
Blogger Raquel V. said...

o mix... mas penso que o gato-escaldado está correcto...

14/12/05 2:28 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home