sexta-feira, outubro 21, 2005

miragem

Mira a paisagem abraçada num longo esticar de braços. O peito insufla-se daquela essência do verde que só cheirado se beija. Subido o cone vulcânico dormente em alcova de lava enfim o espaço e a côr em doses de natureza transformada mas mantida. Homens minúsculos seguem o rumo à muito traçado onde o acumulado do que já tanto passou antevê o que para aí vem, empurrado pelo que foi e de olhos colados aos seus, aqueles que o rodeiam o amam e lhe dão sentido. A calma paira em estática ausência de movimento . A ilha um quadro gelado em seu bucólico instante. Transparência de brisa inalada limpa interiores conspurcados de organismo urbano vivido, enchida a bochecha cuspido sem dó o pó dos livros, os pixels televisivos, as teclas de letras gastas e o afecto ondulante em sua inconstância balançante de proximidade e distância, o vai-vem da maré que persegue a lua. Falua, será que um dia a apanha? Se nunca desiste e se persiste em sua demanda infinita, terá algum dia a paz que teimosa teima em furtar da vista o seu direito ao esplendor? E o deslumbramento da beleza da complexidade do universo, quem o afaga, quem o mantém? Ninguém? Mas o verde persiste. E o espaço que ele ocupa no mar que o rodeia. É terra cercada pelo mar da erosão que a consome. Não se rende. Nunca desiste. Persiste em sua demanda e retalia no sangrar tectónico das placas que se movem e empurram a rocha líquida para cima, para onde o mar corrói vulcão, canhão de luta fera bruta range o dente à fúria do mar picado. Por vezes cansada descansa aos poucos avança sem pressa mas sem tempo a perder. Porque perdido o tempo o que restou do momento? Só as sobras das obras que já foram lavadas pelo vento de tudo o que já passou. E o instante de olhada a paisagem voltar à miragem.

2 Comments:

Blogger amita said...

Um excelente texto. Lido linearmente descreves uma ilha, mas são tantos os sentimentos e anseios nele contidos, tantas as mensagens que transmites... que só vou focar "Mas o verde persiste" e saio contente e certa das tuas certezas apesar da miragem que teimas em voltar. Bjos e um doce sorriso

22/10/05 12:59 da manhã  
Blogger serpa said...

Obrigado AMita! A ilha é SMiguel, passei lá alguns anos, foi lá que tirei o curso de biologia! E é verdade, já não vou lá à dois anos, mas o verde persiste...
:))

22/10/05 1:21 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home