quarta-feira, novembro 22, 2006

substracto

Sei que a cada momento posso desleixadamente
perder tanto daquilo que tanto foi trabalhado a cada pesado dia que suado passei.

Só não sei se o sentido que dou à vida é real e se a imagem que tenho de mim corresponde à pessoa que sou.

Assim tudo aquilo que tanto foi trabalhado pode não passar de uma absurda forma de autovalorização desprovida de conteúdo.

E conteúdo o substracto denso do qual procuramos sorver autenticidade.

7 Comments:

Blogger Beatriz said...

Não sei se serás tu, essse pensamento traduzido em letras que deixaste. Mas pareceu autêntico, ainda que o que eu acho não chegue, obviamente.
Desculpa a intervenção, mas gosto particularmente de meter o nariz onde não sou chamada

23/11/06 1:02 da tarde  
Blogger O Meu Outro Eu Está a Dançar said...

olá pixolas! metendo agora o nariz neste (muito teu) texto e (muito tua) preocupação, acho que nunca perdemos o trabalho que vamos fazendo por nós, embora às vezes ponhamos de lado algumas soluções que tirámos daí, mas isso são os caminhos que vamos escolhendo... às vezes podemos não ir pelo mais acertado, mas nunca perdemos nada, podemos é não ganhar tanto!
mesmo assim....olhamos para o espelho e não concordamos com ele, coçamos a cabeça e queremos saber o nosso papel nesta passagem por aqui! mas enquanto pessoas autênticas, nunca vamos conseguir sacudir de nós estas perguntas sem resposta!
beijinhos, está confuso, não sei se percebes... é que a respota para isto não vem na wikipedia...!

27/11/06 1:34 da tarde  
Blogger O Meu Outro Eu Está a Dançar said...

olha encontrei uma resposta no wikipwedia!


Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
irão achando sem fim
seu ansioso lugar
seu botão de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
não teremos sinal
senão o de saber
que irá por onde fomos
um para o outro
vividos

Mário Cesariny

27/11/06 2:06 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Pensamento autentico! Lucido da duvida que pressegue a existencia. Duvida que, por vezes, nos faz suar e iludir.

continua a dar nos o teu suco

Grande abraco Tiago

12/12/06 4:50 da tarde  
Blogger chiquita banana said...

Pixi,
acho que estas dúvidas nos vão perseguir para sempre.
Agora ainda vamos a tempo de mudar, de arriscar...quando formos velhos, então, temos que nos conformar e aceitar as decisões do passado com serenidade.


Aproveita a vida:num dia perde-se noutro ganha-se!

18/12/06 1:50 da tarde  
Blogger O Meu Outro Eu Está a Dançar said...

ó pixi, já comunicavas com o mundo todo, não?

3/4/07 5:29 da tarde  
Blogger Pedro said...

muito bem dito bro. autêntico e sem medos. Profundo, mesmo.

9/9/07 12:13 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home